03/08/2017 14:47 - Atualizado em 03/08/2017

Paddleboard: Patrick Winkler completa Molokai à Oahu, a maior travessia do mundo

Brasileiro remou mais de 8 horas com as mãos para finalizar o percurso de 58 km no Havaí

 

8 horas 24 minutos e 35 centésimos. Foi esse o tempo que Patrick Winkler passou remando no paddleboard o percurso de 32 milhas náuticas  da tradicional Travessia de Molokai à Oahu (M2O). Considerada a maior travessia de paddleboard do mundo, a prova disputada no último domingo (30), contou com a participação de atletas de mais de 20 nações e o brasileiro se tornou o único residente do país à concluir o trajeto na categoria solo, terminando na sexta colocação da categoria 30-39 anos.

"Estava fisicamente ótimo, minha preparação e meu polimento foram perfeitos, tecnicamente estava bem e o que faltou foi a experiência de downwind (remar na mesma direção que o vento aponta). Portanto, no final, principalmente as últimas 10 milhas, foram literalmente no braço", contou o atleta de 39 anos. O pódio da competição, que é considerada uma das mais difíceis do mundo, ficou com os australianos Matt Bevilacqua, Daniel Shade e Matt Poole, respectivamente.

A prova começou na praia Kaluakoi, costa norte de Moloka'i e terminou em Maunalua Bay, na costa sul de O'ahu. Nas primeiras três horas de prova a maré estava à favor e tudo parecia caminhar para uma prova tranquila. Mas não é a toa que o percurso é o mais difícil da modalidade. Na parte contra correnteza os atletas tiveram que enfrentar um mar bastante agitado e difícil para sair do lugar, ainda mais no trecho denominado “china wall”.

"Me levei ao extremo, mas terminei a prova com a sensação de dever cumprido. Vibrei, rezei, chorei e completei", contou o waterman, que foi acompanhado durante todo o percurso pela atleta de canoa havaiana, Jane Mckee, que atuou na orientação e nutrição do brasileiro. 

 
Sobre Patrick Winkler

Patrick Winkler é fundador da Swim Channel, e um dos pioneiros do paddleboard no Brasil. Ele conheceu o esporte em 1999, na praia de Manly, em Sydney na Austrália. Depois disso, trouxe a prancha para o país, que acabou guardada por algum tempo. No ano de 2011 passou a praticar o Stand up paddle, no club Matero na Raia da USP, e posteriormente retomou a remada com o paddleboard, esporte que utiliza apenas as mãos para a remada.O atleta, que já conquistou inúmeros títulos no paddle, tem como patrocinadores e apoiadores a Ítaca Esportes, Suntech, Mormaii e Tomtom.

Mais notícias de Diversas Modalidades